sábado, 31 de dezembro de 2005

Bem-Hajas 2005

Desvendo o teu corpo em esquiços
Formas que as polpas esboçam
E sôfregos os lábios reunem.

Procuro as peças em falta,
Tento encaixar as minhas.

Abre os olhos, sorri, bate palmas,
Depois de com ânsia infantil
Colocarmos a dois a última peça.

Bem-Hajas 2006

Ontem Foi Um Dia de Sorte.

Não tomei o pequeno almoço ao sair de casa, mas havia bom queijo e bom presunto no frigorífico da enfermaria.

Ontem foi um dia de azar.
O arroz de carnes acabou mesmo antes de eu me servir.

NOTA - Nova rubrica deste edição, que pretende sublinhar a dicotomia da vida de um tuno. Dela deverá sempre contar o relato de um pequeno episódio feliz, logo seguido do relato de um pequeno episódio infeliz do nosso quotidiano, que jamais manchará o primeiro.
E vivam as pequenas coisas.

Novo ano, para quê?

Aos trambolhões e entupido de álcool, o novo ano aproxima-se sorrateiro, ou tão sorrateiro quanto um bêbado consegue ser. Quando por aqui cair, far-se-á anunciar, não duvido, com barulho e extravagância (e pequenos incêndios à mistura...), e levantar-se-ão uns copos meio cheios (ou meio vazios?...) de espumante (hoje um pouquinho mais caro). Para quê?
Para eu poder vestir o "smoking" que emagrece no guarda-roupa, e apanhar a tosga do ano. Parece leviano? Superficial? Egoísta? Por agora concordo, vamos a ver daqui a umas horas...
FELIZ ANO NOVO!!

Os Nossos Santos Padroeiros III


Num dia tempestuoso ia São Martinho, valoroso soldado romano, montado no seu cavalo, quando viu um mendigo quase nu, tremendo de frio, que lhe estendia a mão suplicante... S. Martinho não hesitou: parou o cavalo, poisou a sua mão carinhosamente na do pobre e, em seguida, com a espada cortou ao meio a sua capa de militar, dando metade ao mendigo. E, apesar de mal agasalhado e sob chuva intensa, continuou o seu caminho, cheio de felicidade. Diz ainda a tradição que São Martinho, em 363, solicitou ao Imperador Máximo auxílio material para a edificação de um convento. Foi o Imperador bem recebido e no repasto a que assistiu, com os personagens da corte, bebeu-se além da medida e foram tantas e fartas as carraspanas que os invejosos que só viram e ouviram - classificaram de martinhada. Daqui vem, ao que parece, ser São Martinho o patrono dos bêbados. Nem sempre a sua acção foi bem aceite, daí ter sido repudiado, e, por vezes, maltratado. Com o tempo, as suas pregações, o seu exemplo de despojamento e simplicidade, fazem dele um homem considerado santo. É aclamado bispo de Tours, provavelmente em Julho de 371.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2005

sábado, 24 de dezembro de 2005

Do Fim da Noite VI

A noite do mercado (23/12).

-até quarta...e olha...um bom natal para ti!
-ya...igualmente. adeus e um abraço.

Fechou a porta do 205 e foi para casa. Eu, fiz-me ao resto da estrada embrulhado em pensamentos.
Balanço da noite...uma boa amizade desfeita e outras fortalecidas... mas não tive culpa. Alegria durante toda a noite devido à poncha e à ginja. Rever de várias caras que já não tinha saudades.
Balanço dos últimos anos...há 4 anos manifestámos o nosso amor em segredo do mundo, no ano seguinte manifestámos esse mesmo e diferente amor sem medo do mundo, um ano depois a distância traduziu-se em saudade. Este ano vencemos a dificuldade e lá nos conseguimos desprezar mutuamente.
Pergunto-me como estaremos daqui a um ano.
Emociono-me secamente. deve ser isto que chamam de nó na garganta.

Onde estão os paraísos?

A Carvalheira tem uma irmã (mutilada)

Passeava-me eu ontem alegremente pelas ruas principais do Funchal, em noite de alegria popular, quando ouvi um choro que não me era nada desconhecido. olhei à esquerda e por trás da multidão, encostado à parede, estava um senhor que tocava numa guitarra, irmã gémea da nossa carvalheira.
Mas não foi este o facto que me cativou no tal senhor velhinho, mas sim o facto de que a dita guitarra tinha o braço partido(enixistente) pelo 10 trasto, mas prendeu as cordas de tal maneira que ele tocava nos trastos ainda restantes. era um autentico cavaquinho. o som era lindo.

Feliz Natal Carvalheira.

Feliz Natal*


São os votos de um Tuno Feliz para os conTunos, e os Votos da Vinicultuna de Biomédicas-Tinto, para todos os seus amigos.

"Natal no Bordel" - Eduard Munch

Mensagem de Natal da Ana Carolina - Coimbra, Junho 2004


Espero que continuem cantando sempre, muito e bem, como bem me recordo. Feliz natal para ti e para todos os "tunos".
O vosso autocolante ainda está na vitrine do café. Beijo para todos.

O Sistema Nacional de Saúde Cria os seus Próprios Mitos

Constou, na passada madrugada de 5ª para 6ª feira, 22 para 23 de Dezembro, que se iria proceder à transferência entre as Unidades do Sistema Nacional de Fafe e Guimarães, de um Utente do sexo masculino, com a idade de 100 anos, e o diagnóstico de Alcoolismo Crónico entre outros de carácter agudo (de somenos importância para a área de investigação de vocação desta publicação).

Infelizmente a transferência não chegou a concretizar-se, não tendo sido possível certificar a veracidade daquelas informações.

Do Vinho e da Empatia Entre os Utentes e Funcionários do Sistema Nacional de Saúde - IV

-E tem comido bem?
- Sim, comido e bebido.

-E assim na comida, deve ter algum cuidado?
-...o costume, dieta à base de cozidos e grelhados
- Está a ouvir? Cozidos e Grelhados.
E mais alguma coisa?
- Ah!... pois... não convém, como tem estas alterações no fígado, por agora é melhor não...
- Está a ouvir? Não pode beber vinho. Só nas ocasiões especiais. Só nas festas.
Fala pela primeira vez a visada, velhinha franzininha, de lindos olhos azuis
- Quer dizer que não posso beber o meu copinho de vinho todos os dias?
-...pois, é melhor não, ... por agora...
- Não pode. Deixe lá. Agora também são as festas, bebe, depois deixa de beber.
- Mas eu fico triste...
-Olhe, Boas Festas! Boas Festas!
(em itálico, o funcionário do sistema nacional de saúde)

A freira, acompanhante, a oligofrénica insitucionalizada desde criança, utente do sistema nacional de saúde, e o funcionário do sistema nacional de saúde
- E quando era mais nova, a senhora bebia muito vinho?
- Antes bebia...
- Não era muito, mas bebia um bocado, sabe, ela ia para o campo todos os dias...
- Dava-me sede!
- ...levava a garrafa com ela.

Grandes Frases - XXIII

"Adeus, foi um prazer!
disseram a cantar
mantém a mesa posta
porque havemos de voltar."

Jorge Palma, "Demónios Interiores", in Norte

sexta-feira, 23 de dezembro de 2005

Grandes Frases XXII

"Time is too slow for those who wait,
(...)
but for those who love time is eternity."
Wiliam Shakespeare

Grandes Frases XXI

"Time goes by so slowly for those who wait,
(...)
those who run seem to have all the fun."
Madonna

O Dia Em Que A Vinicultuna Foi Jogar Futebol

O Juvenal marcou-nos um encontro, a um monte de colegas da Tuna, para esta tarde no terreno vago, perto de casa, para irmos jogar futebol. O Juvenal é meu amigo, gosta muito de beber, e se nos marcou um encontro, foi porque o pai lhe deu uma bola de futebol novinha em folha e vamos fazer um desafio magnífico. O Juvenal é porreiro.

Encontrámo-nos no campo às três da tarde, éramos dezoito. Tivemos de decidir como constituir as equipas, para que houvesse o mesmo número de jogadores de cada lado.
Quanto ao árbitro, foi fácil. Escolhemos o Carlos. O Carlos é médico, mas como usa óculos não lhe podemos bater, o que, para árbitro, é uma boa coisa. E além disso, nenhuma das equipas queria o Carlos, porque não é muito bom em desporto e chora com demasiada facilidade. A discussão foi quando o Carlos pediu para lhe darem um apito. O único que tinha um era o Joel, cujo pai é polícia.

"Não posso emprestar o apito, disse o Joel, é uma recordação de família". Não havia nada a fazer. Por fim, decidimos que o Carlos avisava o Joel e o Joel apitava em vez do Carlos.
"Então? Jogamos ou não? Cá eu começo a ter sede!" gritou o Juvenal.
Mas onde tudo se complicou, é que se o Carlos era árbitro, já só éramos dezassete jogadores, o que dava um a mais na divisão. Então, arranjámos uma maneira: um seria o juíz de linha e agitaria uma bandeira sempre que a bola saísse de campo. Foi o Sérgio o escolhido. Um só juíz de linha, não é muito para vigiar o campo todo mas o Sérgio corre muito depressa, tem as pernas muito compridas e muito magras, com uns joelhos grandes e sujos. Mas o Sérgio não queria saber de coisas, queria jogar à bola, e além disso disse-nos que não tinha bandeira. De qualquer forma aceitou ser juíz de linha durante a primeira parte. Quanto à bandeira, agitaria o lenço que não estava limpo, mas é claro, ao sair de casa não sabia que o lenço ia servir de bandeira.

vagamente basedo no "Menino Nicolau", de Gosciny

Grandes Frases XX

"Tu és estranho, mas pareces muito bom..."
Uma Feiticeira

quinta-feira, 22 de dezembro de 2005

Caminhar


Hoje caminhei sozinho, pelas ruas desta cidade fria.

(Todas as mulheres se parecem contigo, e tu tão longe.)

Fui ao banco ao dentista ás finanças.

Deixei as minhas pegadas na geada, branca como a tua pele.

Ah, e comprei-te uma flor, no florista.

...

Mas hoje caminhaste comigo. Mostrei-te cada canto da cidade, subimos ao castelo, entramos juntos nas lojas, rimos á saída dos cafés, passeamos junto ao rio, corremos para apanhar o autocarro, escorregamos na geada. E trazias sempre, entre os teus cabelos, a flor que eu roubei no mercado, para te dar.

...

Hoje caminhei sozinho, e tu não me largavas. =)

quarta-feira, 21 de dezembro de 2005

Porque é que ontem te ofereci a Lua?

Porque nos iluminou

Porque já lá fomos juntos

Porque a vi reflectida em ti

E a ti reflectida nela

Tem o mesmo alvor que eu beijo

Tem as curvas dos teu seios

Porque a tens algures em ti

E a voltas a dar ao céu

Porque não ma pediste, mas continuavas aí*

Porque é que hoje te ofereço o Sol

Porque ontem te ofereci a Lua.

E continuas aqui*

EXONERAÇÃO JÁ!!!

Acabo de receber a triste notícia de que o tuno Chiclete, tirou a módica nota de 88 no exame de acesso à especialidade. Para além de ser inadmissível um tuno da vinicultuna tirar qualquer nota superior a 30, apenas justificável pelo facto da Vinicultuna ter conseguido a chave do exame na passada 2ª feira, chave essa disponibilizada neste mesmo blog, Chiclete teve mesmo o desplante de tirar a mesma nota que um arqui-inimigo (outro) da tuna tirou no último exame.
Penso serem portanto motivos mais que suficientes para EXONERAR o Chiclete do cargo de tuno da Vinicultuna, cessando desde já todas as regalias que lhe advêm desse cobiçado e honroso posto.

Espero que estejam todos comigo nesta causa.


A VINICULTUNA TEM UM BOM NOME A PRESERVAR!!!


Pila-grande-que-afinal-é-mole

Grandes Frases XIX

"SÓ MAIS UMA, SÓ MAIS UMA!!"

Pequena multidão que assistia a um espectáculo da Vinicultuna em Guimarães.

terça-feira, 20 de dezembro de 2005

Aleluia - Que bem podia ser um "arre demo"!!

Após anos a fio de infrutíferas tentativas de pertencer a este fantástico clube de personalidades únicas e inconcebíveis, eis que finalmente consigo "Hackar" o sistema e dar azo à minha voz...

Como bem diria numa destas situações um jovem muito dotado que conheço:

"Desampara a loja"...

Um grande abraço Kilhogaço

Nunca Poderia Ser do Vinho

"A 73-year-old man presented with a self-inflicted stab wound to the abdomen. A plasma ethanol level of 27 mg per deciliter was found on preliminary toxicologic screening; the results of chemical analyses were normal. No internal injuries were found on exploratory laparotomy. Eight hours postoperatively, the patient became confused and was intubated because of respiratory distress. Arterial blood gas measurements showed a pH of 6.91, partial pressure of carbon dioxide of 12 mm Hg, and base excess of –30 mmol per liter. Blood chemical analyses showed a bicarbonate level of less than 5 mmol per liter, a creatinine level of 1.4 mg per deciliter, an anion gap of 26, and serum osmolarity of 346 mOsm per liter with an osmolar gap of 38 mOsm per liter. Light-microscopical analysis of the urine showed various forms of calcium oxalate monohydrate crystals, including "cigar" and "dumbbell" shapes. Free crystals were extensive, with many incorporated in casts. Oxalate is a metabolite of ethylene glycol that is excreted by the kidneys. Oxalate readily precipitates with calcium to form dihydrate crystals and the more stable monohydrate crystals. Final toxicologic screening of plasma was positive for ethylene glycol, with a level of 72 mg per deciliter. It was later determined that the patient had ingested automotive antifreeze in a suicide attempt. Short-term treatment included fomepizole and continuous hemodialysis, but the patient remained on long-term hemodialysis for two months after hospital discharge."

"Urinary Calcium Oxalate Crystals in Ethylene Glycol Intoxication", New England Journal of Medicine, 15 Dezembro 2005, nr 24, Volume 353:e21

Do Vinho e da Empatia entre Funcionários e Utentes do Sistema Nacional de Saúde -III

"- Ela agora antes de lhe dar isto, bebia um copinho, só. Pode continuar?
- Um copinho pode.
- E branco ou tinto? Qual é que faz melhor?
- Eu gosto mais do tinto.
- Ela é do branco.
- Então pode beber desse."

Grandes Frases XVIII

"Os que não cantam não podem sequer imaginar o que é a felicidade de cantar."
Gabriel Garcia Marquez

Respostas Pertinentes a Perguntas Irritantes

"Então... He he he, tocas na Tuna?"
"Não. A Tuna toca em mim."

"Ah, pois... E quando é que vocês ensaiam?"
"Todos os dias da semana, á noite, no Piolho. Domingos,
á hora da missa, no Araújo."

Os Nossos Valores XX

"A Vinicultuna não se prende com questíunculas."

"A Vinicultuna considera que o acto de maior coragem passível de ser realizado por um ser humano é parar, depois de comer apenas um amendoim."

"A Vinicultuna acha qualquer quezília inútil, a não ser que esteja envolvida nela."

Soneto do Epitáfio

Lá quando em mim perder a humanidade
Mais um daqueles, que não fazem falta,
Verbi-gratia — o teólogo, o peralta,
Algum duque, ou marquês, ou conde, ou frade:

Não quero funeral comunidade,
Que engrole "sub-venites" em voz alta;
Pingados gatarrões, gente de malta,
Eu também vos dispenso a caridade:

Mas quando ferrugenta enxada idosa
Sepulcro me cavar em ermo outeiro,
Lavre-me este epitáfio mão piedosa:

"Aqui dorme Bocage, o putanheiro;
Passou vida folgada, e milagrosa;
Comeu, bebeu, fodeu sem ter dinheiro".

Vertente não ortodoxa do poeta - igual e pior em http://paginas.terra.com.br/arte/PopBox/bocage.htm

Quantas vezes, Amor, me tens ferido?

Quantas vezes, Amor, me tens ferido?
Quantas vezes, Razão, me tens curado?
Quão fácil de um estado a outro estado
O mortal sem querer é conduzido!

Tal, que em grau venerando, alto e luzido,
Como que até regia a mão do fado,
Onde o Sol, bem de todos, lhe é vedado,
Depois com ferros vis se vê cingido:

Para que o nosso orgulho as asas corte,
Que variedade inclui esta medida,
Este intervalo da existência à morte!

Travam-se gosto, e dor; sossego e lida;
É lei da natureza, é lei da sorte,
Que seja o mal e o bem matiz da vida

Morreu Manuel Barbosa du Bocage á 200 anos

A literatura portuguesa perdeu, então, um dos seus maiores poetas e uma personalidade plural, que, para muitas gerações, incarnou o símbolo da irreverência, da frontalidade, da luta contra o despotismo e de um humanismo integral e paradigmático. Aqui ficam dois sonetos, que a Vinicultuna aprecia.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2005

FRAUDE - A VINICULTUNA É SUSPEITA

A Vinicultuna de Biomédicas-Tinto publica em primeira mão a chave do exame nacional de acesso ao Internato Médico 2006, cuja prova escrita se realiza amanhã.
Aproveitamos para desejar boa-sorte ao Tuno Chiclete.

Cardiologia
DCCAB ABCCE AEDDC BCCDB
Pneumologia
AECAB CDCBA ADEDC BDDCE
Hematologia
BACAE DCDAE CCBAA EADCD
Gastroenterologia
AABBB BACDE DDAEB BABBC
Nefrologia
CCAED BACDA EEABC CCEAD

NOTA – Olhem para o ponto antes de copiarem a chave. Não se esqueçam que há o “Teste Branco” e o “Teste Azul”, sendo que a ordem dos grupos está trocada, mas não a das perguntas dentro de cada grupo.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2005

Férias nas Biomédicas, Regresso ao Recreio da Minha Escola - Jogos e Cantigas da Nossa Infância - V

Um Jogo - a "Meia-hora".

Este era um jogo que na minha escolinha reunia uma legião de adeptos entusiastas, na sua maioria do sexo masculino, até o dia em que foi proibido pelo conselho directivo da escola. A partir dessa data continuou a ser jogado, mas clandestinamente.
Trata-se de um jogo com o intuito de magoar/ser magoado gratuitamente os/pelos colegas e que normalmente era jogado em associação com o famoso jogo do "balamento" por alturas da páscoa, o que rendia, aos vencedores, um saco de doces amêndoas...

Terreno:
Normalmente era o pátio da escola, mas por acordo entre os jogadores podiam defenir-se outros terrenos.

Objectivo:
Apanhar o adversário desprevenido e desferir-lhe um enérgico murro na região dorsal, de preferência no músculo deltoide. Caso se dê o infortúnio de acertarmos num osso do adversário, pode ser traumático para qualquer um dos jogadores, razão pela qual o jogo foi proibido pelas entidades competentes da escola.

Regras:
Jogava-se entre dois jogadores, embora cada jogador possa estar simultaneamente a jogar o número de jogos que desejasse(com outros colegas, entenda-se).
Este era um jogo de carácter contínuo, ou seja, acordava-se a altura do início do jogo e este prolongava-se por vários dias ou até meses até que os jogadores se fartassem ou estivessem maltratados das costas.
O referido murro só poderia ser desferido com a frequência de um por cada meia hora.
Caso os jogadores simulassem que ostentavam um monóculo, levando mimicamente a mão ao olho, o adversário ficaria impossibilitado de dar o soco durante meia hora.
O jogador devia gritar "meia hora" ao mesmo tempo que executava o soco. A partir daí só podia dar novo murro passados 30 minutos.

Nota:Dentro da sala de aula não era obrigatório gritar "meia hora"

Noções Práticas e Movimentos de Especial Beleza Técnica:
A tactica deste jogo era aproximar-se do adversário pela retaguarda equanto este estivesse desprevenido, para que não tenha a posibilidade de fazer o movimento do monóculo e inviabilizar o lance.
As alturas mais indicadas eram enquanto o adversário trocava alegremente uns dedinhos de prosa com os seus amigos. amigos estes que não poderiam avisar da chegada do adversário pela retaguarda, sob pena de perda de estatuto de pessoa honrável.
O movimento do "murro em suspensão" só era bem conseguido pelos jogadores mais experientes e consistia em saltar bem alto e aproveitar a força da gravidade na descida para murrar.
Mais raro ainda era chegar pela frente e falar com o adversário, que distraído, entretanto se esquecera do jogo. e desferir-lhe o soco inesperadamente. Infelizmente era mesmo muito raro.

Uma canção:
Sérgio Pereira
subiu à bananeira
Comeu uma banana podre
morreu de caganeira

terça-feira, 13 de dezembro de 2005

Do Jantar do teu Dia de Anos

Pode um monstro amar?

Entramos lado a lado, e então reparaste pela primeira vez que coxeio.
"É natural. Tenho uma perna mais curta que outra, mas não se nota quando estou deitado. Nem brilha no escuro." Ri-me muito alto, satisfeito com a piada com que pontuei a justificação. E então fomos vistos.
O empregado sentiu-se com o toque e aproximou-se para nos receber. Tossicou.
Dei pelo toque, endireitei a figura ao longo da gravata, e fitei-o com os 2 olhos, que na minha cara ficam à direita do nariz.
Apercebeste-te também do toque, mas desculpaste-me com um beijo na face esquerda onde orelhas e lábios me desfiguram mas juntam sensações. Vale a pena.
"Uma mesa para dois, por favor".

Pode o grosso ter graça?

Há quem pense que quem tem mãos toscas como as minhas é incapaz de pegar num cálice com dois dedos apenas...
Pois que saibam que também toco piano e sou neuróniocirurgião.
Há quem pense que quem pega num cálice usando apenas dois dedos, como se de uma pinça se tratasse, não deixa a marca dos beiços na borda do copo...
Pois nem toco flauta, nem sei encher balões.
O vinho, claro, era do melhor. Dos melhores. Que disso eu sei. Não bebo mas sei. Sei saboerear. Não bebi uma gota. Saboreei-as a todas.
De olhos fechados, levantei o cálice - sustido, não preso - entre polegar e indicador, e, só com o cotovelo apoiado na mesa, aproximei-o dos lábios que, quase sem mexerem sorveram o líquido tinto "sluuuuuuurp!"..., depois centrifugado contra toda a superfície do paladar, e depois "aaaaah!", o cuspiram num jacto de prazer.
Sou capaz de reconhecer qualquer nectar produzido em solo lusitano. Atiro os seus nomes ao ar, e acerto, acerto para admiração de toda a sala.
Sou capaz de o fazer com uma garrafa inteira, e adivinhar todos os vinhos que nela se misturam- E sem beber uma gota.
Ébrio sem beber uma gota. Repleto sem nada comer.
Não escolhi nada. PRefiro assim. Para que só o sabor do vinho se confunda com o teu.

E tu, meu amor?

Uma gracinha, com sempre. As tuas formas continuam-se ao longo do rasto que ondula ao longo do tapete. A lama ficou onde os teus saltos, os teus pezinhos pisaram.
Meu amor, tu não usas os talheres! E nessa entrega quase animal que diriges ao jantar, revelas a sofreguidão das próximas noites passadas.
Promessas refeitas em todas as gotas de vinho que aceitaste dos meus lábios. Todas.
Meu amor, continua a seduzir-me.
E deixa-me sem sangue, tal como fizeste com estas rolhas que a tua sede secou.

E nós, meu amor?
Nós vamos os dois. Agora.
Puseram-nos fora na altura certa.
-Apreciaste a minha postura digna quando insisti em pagar a conta?-
Só no fim da sobremesa se aperceberam que a acha que tirámos da lareira, para nos aquecer os pés, estava a queimar o soalho.
Chamou-lhes a atenção o fshhhhhhhhh! da gota que pingou das tuas coxas sobre a brasa rubra.. Um fsssssshhhhhhhh! de mil chaleiras. De mil gatos escaldados, lançados de imediato na água fria. Um fsssssshhhhhhhhhhhh! de mil demónios.
Puseram-nos fora mesmo quando queríamos.

Do Vinho e da Empatia entre Funcionários e Utentes do Sistema Nacional de Saúde -II

"-Ele outro dia bebeu uma garrafa inteira de Vinho doPorto. Faz Mal?
-...
-Mas era Vinho do Porto..."


"-Porque eu também já estive para ir, mas graças a Deus...
- Ai sim?
- Sim, senhor doutor. Porque eu posso dizer que já fui uma grande borrachona!"

segunda-feira, 12 de dezembro de 2005

chiki der ess

Cheguei, vi mas não venci...mas convenci...

domingo, 11 de dezembro de 2005

Companheiros de VIagem - Do Vinho e da Amizade entre os Povos - VI


"-Ora então os meus amigos como estão?
...
-Ora então os meus amigos nã dizem nada?
...
-Era então os meus amigos nã respondem?
...
-Malcriados!
...
-Eh!Eh!Eh!
...
- 'tô a brincar! Já estão c'os copos nã é? Eh!Eh!Eh!"

Do alegre diálogo com os nativos de Paucartambo, Peru, retratados. Sempre alegres, mas sempre firmes.

sábado, 10 de dezembro de 2005

Novo LINK e Novas Possibilidades

Para quem quiser ter a Vinicultuna no "topo" da lista de e-mails da Inbox do GMAIL, basta adicionar http://ideiaselamentos.blogspot.com/atom.xml ao "Settings > WebClips" :) Podem aproveitar e apagar também os outros todos ;)

Adicionei uma página nos links que achei "interessante" e propositada... Rasganço... http://www.icicom.up.pt/blog/rasganco/

sexta-feira, 9 de dezembro de 2005

Companheiros de Viagem - Sobre o Vinho e a Amizade entre os Povos V

Relatos sobre este mesmo tema, colhidos na primeira pessoa, á pouco menos de um mês, num albergue de Bratislava, numa saudável mesa quadrada com uma chinesa, um finlandês, uma garrafa de porto, um australiano, um garrafão de tinto, um escocês, uma garrafa de vodka e eu, quatro da manhã:

"Panetta niin vitusti!"

"Sittin here half pissed with my new mate's the buisness."

"Mitä vittua?!?"

"I thinki m tanked up nw on port n d fuckin oz guy is tryn 2 get in2 my panz"

"Nazdravie!"

"Vou já cagalhão!"

Grandes Frases XVII

"A cama a mim não me diz nada!"

Aqua Bentis

terça-feira, 6 de dezembro de 2005

U-u-u-u-u-u-Um l-l-l-l-l-l-l-l-li-link

TE-TE-TEMOS UM LINK!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

diariodeuniversitaria.blogspot.com

segunda-feira, 5 de dezembro de 2005

Contemplação

"Que Figura.Ria-se quem entrar.
Durmo.Olho Aberto, Olho Fechado.
Boca Aberta a pingar.
À tua espera na esquina do sono.
De que lado chegarás?"

sábado, 3 de dezembro de 2005

Natal

A bebedeira em família vem aí. É o pai, o tio, o avô, a mãe, a tia, a avó quem te enfia um copo na mão, desculpando-se com o Natal. Não querem beber sozinhos.
É tempo de sorrir de lado, de dentes forçados para fora, agradecendo prendas que esperamos nunca mais lhes pôr a vista em cima, com alguns envelopes à mistura... papel para a troca por cerveja e vinho!
É tempo de estragar toda e qualquer esperança de uma boa digestão, de aceitar sorrisos de quem nos dá a volta ao estômago, talvez uma boa altura para lhes dar um pontapé no estômago, numa época de perdão. "Oh! Desculpa! Foi um movimento involuntário!..."
Mas é, acima de tudo, uma boa altura para um grande abraço entre amigos, comprimido num só. Espero que ninguém se aproveite de um momento sério como este para o apalpão de circunstância, a não ser que seja do sexo feminino... Mas terei que retribuir!
Abraços Natalícios, cobertos de espuma de cerveja, em colarinhos tingidos de vinho!

sexta-feira, 2 de dezembro de 2005

Os Nossos Valores - XIX

"De Santo a Vinicultuna só tem o dom da ubiquidade, o vinho das bodas de Canaã, as Chaves de São Pedro, e outros truques, habilidades e objectos que eventualmente possam dar jeito"

Do Fim da Noite - V

A noite de ontem ainda não acabou.
Mas não está aqui o Sérgio para dizer "Vocês Não Estão a Ver... Esta Noite... só vai acabar... lá para as 5 da tarde...". E já são quase nove da noite e eu ainda aqui estou.
Foi o computador E o computador E o computador
Lupus Febre Lupus Febre
E Preguiça. Muita Preguiça.
Não a fosse e o Lupus e a Febre já eram.
Mas a Preguiça...
E de repente a luz entra, no que a preguiça sai para dar lugar a trapalhice.
E onde entra a trapalhice só pode sair merda. Um trabalho interessante, uma apresentação de merda. O que vale é que o chefe não vai estar.
E por isso relaxo. Relaxo...
...Sai merda. Vou Já Cagalhão Pchhhhhhhhh!!!!!!!!!! Sairam bem formadinhos. Também saiu sangue. Mas só no papel. Hemorródias. Não mata mas arde. E não dá prestígio.
Também saiu uma ambulância e assustou-me. O telemóvel também me assustou, quando chegou a hora de despertar. 8h20.
Há 50 minutos tocaram os sinos de Creixomil. É muito bom acordar com aquele som a aldeia.
Excepto quando já se está acordado e se quer ir dormir.
Tmabém se ouvem os camiões do lixo. A noite toda. A recolha é em frente à igreja, ao lado de minha casa.
Tempo para um longo banho.
E ir para a rua.
Para o trabalho.
Até agora.
Mas há sempre razões para sorrir.
Quando mesmo mesmo no fim da noite de ontem, se encontra o dia de amanhã.
Tão lindo.