sábado, 14 de abril de 2018

Chanfana: Adega Funchal vs Restaurante Regional da Serra

(o Restaurante Regional da Serra fica em Seia)
(a Adega Funchal fica no nr 20 da Rua das Azeiteiras, na Baixa de... Coimbra!)

Adega Funchal 1 - Restaurante Regional da Serra 0

(Restaurante Regional da Serra, Fevereiro de 2018)
(Adega Funchal, Junho de 2004 - Ai, quão longe vai, a Mocidade...)
Adega Funchal 2 - Restaurante Regional da Serra 0

(na Adega Funchal levantávamo-nos da mesa, íamos à rua porque era Verão e estava calor, e na ruela estreita passava muito pouca gente, para quem cantávamos, com quem conversávamos, em Francês, até...)
(o Restaurante Regional da Serra fica numa curva sobre uma alameda com algum movimento, e além disso era Inverno e estava frio, e os miúdos levantavam-se só para tentarem não comer a sopa)
Adega Funchal 3 - Restaurante Regional da Serra 0

(na Adega Funchal a chanfana vinha num pote de barro preto, a carne era da mesma cor, e desfazia-se na boca)
(no Restaurante Regional da Serra - DA SERRA! - veio num pote de barro vermelho vidrado, a carne era clara, e um bocadinho dura)
Adega Funchal 4 - Restaurante Regional da Serra 0

(em frente ao balcão do Restaurante Regional da Serra está um poster com o plantel do Seia Futebol Clube, sucedâneo do defunto União Desportiva de Seia, com os atletas pujantes e orgulhosos por envergar as cores da terra)
(naquela noite prometemos à Dona Estrela uma bandeira de Portugal para o campeonato da Europa que começava no dia seguinte, mas depois não cumprimos, e hoje não há uma bandeira de Portugal desbotada de 14 anos, sobre o balcão da Adega Funchal, a culpa é única e exclusivamente nossa)
Adega Funchal 5 - Restaurante Regional da Serra 0

(naquela noite na Adega Funchal, só estávamos nós com a Dona Estrela, que quando percebeu que não tínhamos dinheiro começou a ficar nervosa, mas deixou alguns de nós saírem para tentarem financiar a chanfana e o vinho, enquanto outros de nós lhe amparávamos os lamentos, e o dinheiro acabou por chegar em poucos minutos, e a Dona Estrela acabou por não "chamar a polícia")
(o Restaurante Regional da Serra foi enchendo com, famílias e grupos de amigos, estes exclusivamente compostos por homens, homens da terra, de trabalho, de respeito, de algumas posses, o agricultor, o professor, o industrial, o reformado do banco, falam de negócios e da política local, falam das gentes e das agremiações da cidade, conversam, riem e cumprimentam as famílias que chegam e ficam um bocadinho à conversa, de pé junto à mesa redonda... se estivessem na Adega Funchal, estes homens não nos teriam deixado sair para ir juntar dinheiro para pagar o jantar, se estivessem na Adega Funchal, estes homens ter-nos-iam dado uma coça... e como merecíamos ter levado essa coça!)
Adega Funchal 5 - Restaurante Regional da Serra 1

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Ήταν μια τυχερή μέρα σήμερα - XXVII




Σήμερα ήταν μια ημέρα τύχης.


domingo, 31 de dezembro de 2017

Oh, Caralho! Que Horas São?





























(Barão de São João)

Bom Ano!

sábado, 2 de dezembro de 2017

Do Fim do Outono

Gosto de ver o Outono a partir do alto. As árvores vão-se juntando em manchas amarelas, castanhas e vermelhas sobre os campos a que chamam a veiga de Creixomil. Gosto de ver o Outono junto a elas. 

Há um gigante magnífico do topo da colina atrás dos hotéis. Vê-se de toda a cidade. Venero-a desde sempre, como se venera um mais-velho. Aparte essa relação respeitosa, ainda nenhuma outra me tinha atraído.

Talvez só o fizesse para mim. Ramagens abertas, a estender-se para o passadiço. As folhas lobadas, a aquecerem de vermelho a luz que as atravessa. Oferece um abraço quente. Passo e penso ir viver com ela.


Todos os anos dou que o Outono já chegou. E então demoro-me mais pelas janelas. Nunca dei pela sua partida. Esta semana não me tentaram abraçar ao atravessar o passadiço. Estranhei, olhei. Só restava o tronco branco, despido, onde não me vi entrelaçado. Ter-se-á ela mudado? Vã esperança, talvez a encontre. À noite, a aquecer de vermelho o interior dos meus lençóis.

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

"Memorandum"

Este ano não me deverei esquecer do São Martinho.
Este ano não me deverei esquecer do São Martinho.
Este ano não me deverei esquecer do São Martinho.
Este ano não me deverei esquecer do São Martinho.
Este ano não me deverei esquecer do São Martinho.
Este ano não me deverei esquecer do São Martinho.
Este ano não me deverei esquecer do São Martinho.
Este ano não me deverei esquecer do São Martinho.
Este ano não me deverei esquecer do São Martinho.
Este ano não me deverei esquecer do São Martinho.

Dúvida

Segundo o acordo ortográfico vigente, "Tuno da Vinicultuna" ainda pode ser proferido no plural?

Carta de Recomendação

O Funcionário do Serviço Nacional de Saúde "Estudaste nas Biomédicas! Conheces o TóZé? "

A Donzela-Funcionária do Serviço Nacional de Saúde "Claro! Tenho Amigos na Vini!"

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Das frases que ficaram

"Dá-me o teu amor, biomédicas"

domingo, 10 de setembro de 2017

"O que não contas à tua mulher, o que não contas ao teu amigo, conta-lo a um estranho, na estalagem"

"provérbio eslavo da Galícia",
diz-nos Eça de Queirós em "Singularidades de Uma Rapariga Loira"


Actualmente os amigos deste espaço também o podem fazer com um conhecido, no Bufete Santo António.

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Um Lamento (eventualmente com voz distorcida, e cara desfocada aos quadradinhos)

"Nós chegámos, não estávamos a fazer nada, começaram logo a insultar."


sexta-feira, 12 de maio de 2017

Um Lamento, ou Sobre o Lamentável Estado de Desconfiança que Reina no Futebol Português

Oliveira de Santa Maria, há uns domingos atrás

"Não nos deixam sair, temos de consumir aqui no bar. E aqui só têm cerveja sem álcool. Fazem mesmo tudo para prejudicar o Salgueiros."

domingo, 8 de janeiro de 2017

Dos sons perdidos


sábado, 11 de junho de 2016

Um Lamento (mas não só)

Algures entre o quadragésimo e o quinquagésimo capítulo, dão o Cavaleiro da Triste Figura e o fiel Sancho a uma estalagem em lugar impreciso na Mancha. Dão a ela também o Cura, o Barbeiro, e muitos outros que não teriam por que por ali andar, mas muito arranjarão sobre que se escreva.
Coincidências. Pródigas na Literatura, não menos na Vida.
Não foi na Mancha, foi mais ao lado.
Évora. Este que aqui escreve, um outro de cognome Fodido, como que fazendo de cabreiro, almocrave, ou de mulher de estalajadeiro. E, já no epílogo, reencontra-se um nome da última crónica. Desta feita o irmão. Em tempos protagonista de uma entrevista num glorioso número da revista "i", das Biomédicas.
Celebre-se então o Lamento, na sala de João Cutileiro. Um lugar notável. Forrado a mulheres de mármore. O escultor senta-se, com a janela nas costas. Em contraluz, visto do outro lado.
"Quer tomar alguma coisa? Café?"
Esqueci as palavras de cerimónia.
"Um copo de vinho?"
"Tomei há bocado o pequeno-almoço"
"É quando sabe melhor", ri-se. E serve-se.

Até perto da hora do almoço existirão silêncios embaraçosos. Saboreados com muito prazer.
...mas com um copo de água.

Um Lamentável Lamento

"Estiveste a beber?"

Anónima, séc indeterminado

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Da Hospitalidade. (para um Manual de Digressões)

Foi há dias, na Antena Um. Falava o Embaixador José Cutileiro sobre a Síria e na inconciliável heterogeneidade daqueles povos. Ódio incompreensível aos olhos ocidentais ainda por cima lusitanos. Ou talvez não.
Num estilo desassombrado, relatou. No final da década de sessenta encontrava-se a realizar um trabalho de campo em Monsaraz (A Portuguese Rural Society, Oxford Press, 1971). Comia numa taberna, frequentemente na cozinha. Um dia chegaram uns casais, com crianças. Turistas, do Porto. A Dona Antónia foi recebê-los. Quando regressou à cozinha, comentou, com desdém, "Queriam pão de milho! Os filhos da puta!"

Do Tuno, do Careto, e da Sã Vizinhança





 
...ou "Esta Senhora Não Gosta de Jovens".

 

Do Tuno, do Careto, e da Geração Espontânea



sábado, 6 de fevereiro de 2016

Protocolo de Velhice - V

Na sua Velhice, o Tuno da Vinicultuna trocará o negro pelas cores.



Na sua Velhice, o Tuno da Vinicultuna, continuará como antes.






(Feliz 2016 ...



...e um Bom Carnaval)

sábado, 5 de dezembro de 2015

A Vinicultuna aprecia...

... a Coerência.

 
                                                        (Granada - Albayzin)

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Da Magistral Conferência...

Em que eloquentemente se fala do "AVC Eloquente"!


Em que "usando a orquestra como analogia" se fala no cérebro, ficando por esclarecer porque não foi usada a Tuna.
 
 
 
 

E em que estando o Nariz da Micha outra vez aqui tão perto...
... e tendo-se apurado que poderá ser reavistado por terras de Viriato...
...(não tão frio, e bem mais perto que a Polónia)...
...uma vez mais se demonstra que nem sempre a fotografia faz justiça à beleza.
 
O Nariz de Micha, inquirindo Octavius, (inveja),
sobre assuntos de coração.

Grandes Frases CII














"Rico filho, até sabe o que é o Mastoideu !"